quinta-feira, 15 de agosto de 2013

A CURA DO DESASSOSSEGO




A experiência do desassossego,
Tem um dom inigualável. Uma dor.
Uma dor apetecivel, se isso existe.
Sem exagero, gosto da loucura.
A pequena loucura das coisas,
A minha própria, em particular,
Apesar duma lúcidez institucionalizada.
Deixem de ser lúcidos e responsáveis,
Provem algo diferente na vossa vida.
Apenas uma vez como cura.
Optem pela loucura por um dia.
Sejam loucos, absolutamente loucos.
Por vergonha se ainda a  houver,
isolem-se do mundo que vos retrai.
Gritem, digam palavrões e guinchem.
Fechem os olhos e rodem, rodem...
Rodem em círculos à vossa volta.
Percam o equilibrio, duas vezes.
Todas as vezes que sintam vazio,
o chão fugir, cair no vácuo.
Transformem o corpo, ondulem,
sintam a ausência do esqueleto.
Rodem, rodem, até cair.
Só assim consigo lidar comigo.
Tantas e tantas vezes que o escondo.
Mas para quê? Esconder o quê?
Esconder-me de quem? Nada!!!
Ser portador de loucura, é bom! É bem!
Reconheço nisso uma dádiva minha.
Nada me sabe melhor que isto,
a não ser sexo, claro. Experimentem!
Percam o tino por um dia, fechados
num quarto, numa praia, no fim do mundo.
Provem o desassossego!
Vão gostar!

15AGOSTO2013

Sem comentários:

Enviar um comentário