quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

O SOL PERMANECE




Pelo interessa das terceiras partes,
Ultrapassam-se as primeiras,
Ultrapassam-se as segundas e,
Ficam as conquistas disfarçadas.
Desde que existam partes,
Nunca haverá uma união de facto.
Todas as partes são divisionistas
Com a capacidade da ironia
E prevalência do confortável.
Nunca haverá uma parte
Que a própria origem
Da ideia inicial seja plena e cumprida.
Há o Sol,
O calor envolvente,
Apesar de existir frio e gelo e chuva.
O Sol permanece,
O resto finge-se em pleno estado
De uma igualdade que não existe.
Nunca poderá existir. Nunca existiu.
O bluff, é a ideologia hipotética,
É a utopia do desejável.
O que me dói, é o irrealismo individual.
Toda a gente sabe o que é impossível
Toda agente sabe o que é utopia
Toda a gente sabe de ideologia.
O que me incomoda, é a continuação.
Não de um desejo mais justo,
Não de uma atitude mais humana,
Nada disso tem a ver com o resto.
Falta a atitude concreta,
Para além da exigência ficcional.
Falta a realidade,
Para além dos Tomos irrealistas.
Falta a prática,
Para além das ideologias ultrapassadas.
Falta olhar para o povo,
Para todos os Povos e sentir.
Sentir que o Mundo é diferente
Que não pode ser o que foi,
Mesmo não sendo o que poderia ser.
Nem o que poderia ter sido,
Nada disto faz sentido agora.
Ideologias são só isso.
Ideias, coisas ideais,
Coisas irreais, que se procuram.
Quero só uma coisa!
Quero mesmo só uma coisa!
Que a Humanidade, quando acabar
O que será rápido,
As crianças no mínimo,
Não tenham ideia do mal a que foram condenadas.
Basta nascer para estar condenado,
Bastava nascer para morrer, e o é!
Agora dói, o que não doía.
Vejo Aleppo, Palestina,
Quénia, Namíbia, Somália,
Nigéria, Angola...
Vejo tanto e sou pobre.
Vejo o que os ricos vêem.
Vejo um Mundo
Pouco Humano.
E é aí que fico doente,
Que me dói a Alma e,
Morro ainda vivo!



18JANEIRO2017