domingo, 19 de fevereiro de 2017

CANSADO







Cansado.
Do azul póstumo
De um mar lento
Que me anima
Que me sossega
E não tenho perto.
Cansado.
Desta cabeça estranha
De um interior inverso
À lógica da calma.
Cansado.
Um corpo fragilizado
Às rugas pertinentes
Da revolta da idade.
Cansado.
Simbolismo ancestral
De vitórias recentes na
Mítica existência quântica
Com Deus dentro de mim.
Cansado.
Do presente e do passado
Nesta permanente ansiedade
Porque hoje será o dia...
Cansado.
De amor e saudade
De ausência e distância e
Da tua pele nua.
Exausto de vivo.



19FEVEREIRO2017