sábado, 18 de outubro de 2014

SILHUETA




Lembrei-me das sombras.
Nada a ver com o horrífico,
as sombras simples.
Apenas as minhas sombras.
O tédio das formas.
O diagnóstico da surpresa,
a imprevisibilidade.
Todos os contornos,
distorções de movimentos,
todo o corpório alterado.
Apenas silhuetas.
Porquê isto agora?
Pois é arte, se bem acho!
Arte interactiva, viva,
permanente e seguidora.
O corpo.
A Alma.
Tenho estas afogadilhas
de comparações dissonantes,
que a meu ver se completam!
Só a silhueta equivale,
à possível mistura palpável
entre corpo e Alma.
Lembra-me cavalos indomáveis,
tentativas de domesticar algo.
O algo aqui sou Eu.
A minha silhueta,
que foge sempre transfigurada
a todas as normas lógicas.
A distorção do corpo,
uma mescla de realismo e surrealismo.
Estes momentos de ócio,
são fantásticos para mim.
Sobrevivo à monotonia assim,
de encontro a lógicas ilógicas,
mas que se encaixam.
Assim sou Eu,
à imagem de mim,
a minha silhueta.


18OUTUBRO2014

2 comentários: