terça-feira, 29 de dezembro de 2015

UM MUNDO SOZINHO





Foi há uma hora.
Mais ou menos uma hora,
mais minuto, menos minuto.
Só o vento foi testemunha.
Talvez as árvores,
Os bancos do jardim e,
A sombra das nuvens também.
Não reparei na multidão,
Estava sozinho e feliz.
Só os ombros, os meus ombros
Sentiam algo mais que Eu.
Empurrões e encostos,
Uns "é cego", "não me viu",
E era verdade. Não via nada.
Não via ninguém.
Vi que existia o mundo
De uma forma simpática
Egoísta também, mas meu.
Era bom ter um mundo.
E eu tenho-o. Um mundo!
Todos os outros eus,
Nos outros meus mundos.
Só o vento é testemunha.
Eu, não ligo ao que me dizem.


Sem comentários:

Enviar um comentário