segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

LONGEVIDADE




Será que a vida é curta?
Será que é mesmo curta
Como o cliché que se conhece?
Talvez não seja!
Talvez a vida humana
Seja a periodicidade certa
Com os devaneios de saúde
Física, mental e imprevista.
Quando penso em mim,
Sou estranho a tudo!
Sou diferente, sem querer ser.
Apenas sou.
Umas vezes gosto,
Outras vezes não.
Porque tenho de pensar nisto?
Para quê ser inteligente
Quando a inteligência complica
A modos que nem sempre para o bem?!
E há o amor,
O amor dos seres inteligentes,
Além do instinto.
Muito além do instinto
Onde o egoísmo pessoal
Ultrapassa a lógica básica do Mundo.
O Amor!
O que se dá e o que se recebe,
O que se quer e o que se tem,
A entrega e a inércia oposta,
Os porquês?
Há a família, o sangue
A magnetização emocional
O ter medo
O querer ser amado!
Os porquês!
Amar é a coisa mais fácil,
Ser amado é imponderável
É um acto de expectativa
Sem necessidade de realização.
Eu!
Eu amando, sei que sim
Que amo e que não quero nada em troca
Para além do amor
Apenas reciprocidade!



06FEVEREIRO2017

Sem comentários:

Enviar um comentário