domingo, 18 de dezembro de 2011

O QUE SINTO ...

Gosto de me sentar aqui.
Na relva, o cheiro do verde.
Olhar a linha do horizonte.
Tao longe de mim,
Tao perto da minha alma.
Como o efeito de borboleta,
Sinto os ritmos do outro lado,
Do outro lado do horizonte,
Os antipodas do meu pensar.
Sinto o vento tocar-me a face.
Deleito-me ao sentir o toque.
As cores aquecem-me a pele.
Os tons vermelhos, o fim do dia.
Arrefece o tempo,
Aquecem os sentidos.
Os risos de criancas a minha volta,
Acrescentam cor quando as sinto.
A luz vai fugindo,
Devagar,
Devagarinho.
Os olhos, vao-se fechando,
Na ausencia das cores.
Fico a espera...
Encosto-me e penso.
Amanha de manha,
Quero viver as cores!
Gosto de sentir o que sinto!


18 Dezembro 2011

2 comentários:

  1. Deixe que lhe diga que é muito bonito o seu sentir! Como o é este belo poema!
    É bom,muito bom sentir...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Maria Batista, e um prazer sentir que gosta!

      Eliminar